jump to navigation

Alunos não têm acesso aos laboratórios de informática novembro 24, 2008

Posted by silwana in Cajuru, Educação.
Tags: , , ,
trackback

O objetivo do governo de levar o acesso a internet a todas as escolas estaduais para contribuir na aprendizagem dos alunos tem sido limitado em alguns colégios do bairro Cajuru. No Colégio Estadual Deputado Olívio Belich, alunos afirmam que é raro ir ao laboratório, outros sequer visitaram a sala com 20 computadores inaugurada no início de 2007. “Desde o início do ano nunca fomos à sala de informática e não temos essa matéria na grade escolar”, afirma um aluno da 7ª série que não quis ser identificado. Outra estudante da mesma turma relata que faz três anos que estuda no colégio, desde a inauguração dos laboratórios nunca visitou e nenhum professor até hoje comentou sobre o uso. “Quem utiliza o laboratório são os professores e até seus filhos que não estudam no colégio”.

e1127_1802

 


Cristiane Neves (nome fictício a pedido da entrevistada), aluna da Educação de Jovens e Adultos (EJA), cursou o ensino fundamental e hoje está no terceiro ano do ensino médio, afirma que em dois anos, utilizou o laboratório pela primeira vez em setembro deste ano. Segundo ela o laboratório é desorganizado, os computadores são próximos dificultando a locomoção e os mouses são incompatíveis com os monitores. “É estranho, o mouse instalado no computador que a pessoa está utilizando fica perto do computador ao lado. Muitas das vezes ficamos com o braço esticado no outro computador para conseguir manuseio do mouse. Não é autorizado mudar o mouse de lugar.”

O Governo do Estado do Paraná por meio da Secretaria de Estado da Educação iniciou em 2003 o projeto Paraná Digital com o intuito de que a informática seja ferramenta de aprendizagem de alunos e professores. A maioria dos colégios dispõe de um laboratório com aproximadamente 25 computadores. Para uma escola que contém 1419 matriculados, como o Olívio Belich, uma sala de informática não é suficiente. Mas a reclamação de alunos não é ter um laboratório, e sim, não ter acesso a ele. De acordo com as estatísticas de uso dos laboratórios do Paraná Digital, em julho deste ano o total de acessos foi de 157 no Colégio Olívio Belich. Em agosto esse número baixou para 154 e em setembro 159 pessoas acessaram a internet.

Segundo a diretora do colégio, Elizabeth Steinwandt Lopes, o laboratório é utilizado em horário de aula quando um professor acompanha os alunos. Claudia Teresin Fernandes, professora do EJA, afirma que trabalha constantemente em laboratório com seus alunos. Relata que professores e alunos utilizam o laboratório para fazer pesquisas. “Quando um aluno necessita usar o laboratório, tem uma secretária que acompanha ele nas atividades do laboratório”.

O colégio Estadual Santa Rosa tem 1875 matriculados. Em julho houve 142 acessos. Em agosto 177 e 202 acessos em setembro, número baixo em relação aos matriculados. Já no Colégio Senhorinha, o uso dos laboratórios tem sido constante, há 1523 matriculados. Em Julho houve 1877 acessos. Em agosto 1878 e em setembro 1898. Os acessos são maiores, cada aluno teria usado laboratório pelo menos uma vez no mês por um período. De acordo com Mariluce santos Pontes Gogos, administradora dos laboratórios de informática do colégio, a escola tem um laboratório com um total de 24 computadores que são utilizados quando professores pedem pesquisas e acompanham os alunos em aulas, o uso é diário.

Segundo Laís Cordeiro, assessora pedagógica na Coordenação Regional de Tecnologias na Educação, os laboratórios podem ser utilizados como ferramenta de construção de conhecimento, porém, não é a única função deles. A prioridade de sua funcionalidade está na inclusão digital dos professores que os utilizam para estruturar pesquisas e, desta forma, ampliar suas concepções metodológicas e pedagógicas. “É claro que não podemos pensar apenas na inclusão digital do professor, pois o aluno também precisa saber manusear e descobrir as funcionalidades do laboratório de informática. Sendo assim, os alunos vão ao laboratório para pesquisar na rede, produzir textos, explorar funções entre outras atividades. Lembrando que sempre com a orientação de um professor”, afirma Laís.

De acordo com dados publicados no site da Celepar Informática do Paraná em Julho deste ano, o superintendente do programa Paraná Digital, Luciano Mewes, afirma que o Paraná já possui 2 mil escolas estaduais com acesso à internet. Essa nova ferramenta pedagógica nas mãos dos professores deve possibilitar aos alunos diferentes maneiras de visualização dos conteúdos programáticos e, por conseqüência, uma melhor compreensão a respeito dos assuntos tratados em sala de aula, mas na concepção de estudantes, esta ferramenta está longe de tornar um instrumento de aprendizagem se os professores não dispuserem de tempo para levar os alunos ao laboratório.

Silvana Vicente

Anúncios

Comentários»

1. amanda - maio 25, 2010

eu adoro esse colégio estou na 6ºF

2. Amanda Lethiane - junho 16, 2011

Isso antes né , agora qualquer aluno pode mecher nos computadosres .

silwana - junho 16, 2011

Olá amanda, eu sou Silvana, quem escreveu a matéria em 2008.

Então, hoje eu não sei qual é a situação no Colégio, mas levando em consideração a era da Informática, acredito que em todas as escolas a tendência é sempre melhorar. Abraços.


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: